Ilha no Pacífico tem níveis mais altos de radiação que Chernobyl e Fukushima

[nextpage title="Próximo"]

ANÚNCIO

Sempre que falamos de radiação causada pela energia nuclear todos pensam em Chernobyl e Fukushima, que foram tragédias mais recentes, mas a realidade é que ambos os locais não são os mais contaminados por esse motivo. Medindo amostras de solo, sedimentos oceânicos e uma variedade de frutas, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Columbia descobriu que a concentração de isótopos nucleares em partes da nação insular excede o limite legal de exposição acordado pelos Estados Unidos e pela República das Ilhas Marshall.

De 1946 a 1958, o governo dos Estados Unidos realizou testes com armas atômicas nas Ilhas Marshall, e o dano que causaram foi tanto que até hoje é um lugar onde os seres humanos não podem viver; é também o local na Terra com os níveis radioativos mais altos de que há registro. Como a situação com os russos e outros países era muito complicada, os americanos ensaiaram com bombas e outras armas atômicas, que eram muito poderosas. Para isso, os habitantes do atol dessas ilhas tiveram que sair à força e foram transferidos para outras ilhas.

ANÚNCIO

A ideia era que, uma vez terminados os testes, tudo seria "limpo" e os expulsos voltariam para suas casas; no entanto, não só isso não aconteceu, mas depois de várias investigações descobriu-se que os atóis de Rongelap e Utirik, que eram habitados, também haviam sido contaminados, de modo que seus habitantes foram levados para outros lugares.

ANÚNCIO

Em vários testes, os níveis encontrados foram muito superiores aos esperados, indo muito além do limite estabelecido entre os governos dos Estados Unidos e as Ilhas Marshall. No Atol de Bikini a medição produziu 648 millirem (unidade utilizada para medir a radiação) quando o máximo permitido é de 100 por ano, o que é bem acima do que foi medido nas áreas de Chernobyl e Fukushima.

Segundo os estudos, os pesquisadores encontraram concentrações de amerício-241, césio-137, plutônio-238 e plutônio-239,240. Os níveis mais altos de radiação foram encontrados na ilha de Naen, no atol de Rongelap. Uma teoria para os altos níveis de Naen é que a ilha foi usada como um depósito para a limpeza de lixo em Rongelap, disseram os pesquisadores. O aumento do nível do mar e o escoamento resultante podem contaminar outras ilhas, alertaram os pesquisadores.

Clique em "Proximo" para ler o restante do conteúdo da postagem.

[nextpage title="Próximo"]

Os frutos que crescem das árvores na área foram analisados ​​e seus níveis de radiação são igualmente altos, então a vida naquele local não é possível para o ser humano. Em lugares como a cratera criada pela explosão de uma bomba nuclear, as leituras são ainda maiores.Para perceber a magnitude do dano, recentemente, o alerta ressurgiu em toda esta área, uma vez que os Estados Unidos enterraram sob uma cúpula de concreto, que é visto na imagem, os restos de material nuclear, construção para a qual é conhecido como o túmulo.

Em 1958 eles testaram uma bomba nuclear, e foi 21 anos depois que eles terminaram de construir aquele contêiner com apenas 45 centímetros de espessura. Recentemente, a ONU alertou sobre rachaduras que permitiriam a fuga de substâncias radioativas, que colocam em risco os ecossistemas da Austrália e poderiam até se estender à China. Por enquanto, foi proibida a venda de peixe na área, que deixa em crise os habitantes dessas ilhas, pois é o seu modo de vida.

Publicando suas descobertas na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, os pesquisadores disseram que eles tinham como objetivo apresentar as "condições radiológicas" atuais nos atóis impactados, concentrando-se em ilhas desabitadas que são frequentemente usadas como fontes de alimento.

"O que foi surpreendente foi o quão alta a radiação gama externa foi para Naen, que é a ilha externa do Atol de Rongelap", disse Nikolic-Hughes em uma estrevista. "Ele foi contaminado durante o teste Bravo ... e as pessoas de lá foram então removidas, voltaram e se mudaram novamente. É uma história terrível sobre o que aconteceu com o povo Rongelapês."

Como se os problemas ambientais e de pobreza que o planeta já tem não fossem suficientes, agora devemos pagar a dívida pelo que foi feito há várias décadas. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA observa que a exposição a altos níveis de radiação pode levar a queimaduras na pele e síndrome de radiação aguda, ou doença da radiação, que pode resultar em doenças de longo prazo, como câncer e doenças cardiovasculares.